EM CADA SONHO UM POEMA, UMA ALMA, UM CORAÇÃO DESFEITO DE MILHENTAS ATITUDES...SOLTA-TE PELO VAGUEAR DOS PENSAMENTOS, LÊ POESIA E DESCOBRE-TE NA IMENSIDÃO DAS PALAVRAS!...Yaleo 

Sábado, 4 de Outubro de 2008
A Revolta das Palavras

 

Este é o resultado de um "dueto poético" entre a minha pessoa e o grande poeta e amigo Victor José, por quem tenho a maior admiração, quer pela sua obra como pela pessoa que é.

Improvisado, este poema surgiu de uma situação sem qualquer combinação. Perante a organização de um Filó-Café, resolvi inspirar-me no tema do mesmo "A Revolta das Palavras" que por fim acabou nas mãos do meu amigo que o complementou de uma forma extraordinária e que deu este produto final, quanto a mim magnífico, numa improvisação, que não é mais que o "brincar com as letras". A cumplicidade, amizade e o sentimento cruzaram-se num poema que retrata o horizonte dos poetas.

Obrigada Victor... e deixo-vos com o testemunho...

 

 

Maresia revoltada em volta de ondas sem dó nem piedade,
com paisagens mudas e revestidas de palavras inodoras
Forçada a revolta das letras misturadas no sal da brisa
libertando sentimentos crus, sensuais, atenuantes da minha dor
Impregnada de ódio que tu… e tu… e mais tu,
deixaste nos meus lábios com um beijo disfarçado de sofrimento
E que nos fazem lembrar a cada dia que passa,
quando passa, quando não grita e não disfarça
E não é nada, nada mesmo nada, a não ser a revolta das palavras
essas sombras adormecidas presas em redor de uma luz
Que nos amedrontam a alma perdida pela certeza de que a sociedade foge
consente, inventa e ruma por aí sem destino à procura de um sentido
Corre, pára e não diz nada…
rodopia, salta, levanta e não diz nada… quer dizer tudo de uma vez
 
Junta-te a nós e reclama da palavra mal dita ali ao lado,
ou então resume a tua mensagem a um gesto, ao teu horizonte limitado
Da frase escondida debaixo da resma de folhas amarrotas,
deixa-a criar raízes, deixa-a vingar em terra fértil
Do pensamento que não sai do teu cérebro porque não o quiseste escrever,
descansa sobre ele, deixa-o amadurecer e ganhar razão
Da letra mais pequena que nunca sabes escolher…mas reclama.
Não tenhas medo da palavra que podes construir, uma a uma 
Não fiques parada em frente ao espelho partido
mas não corras, não queiras esquecer o teu passado, a tua dor
Que te enche a cara de rugas falsas, quebradas e maliciosas…
afinal o que é a consequência lógica dos nossos velhos pensamentos
Vira-te para mim, enfrenta o negrume do ódio que acarretas
por uma vez na vida junta-te a mim, sonha comigo, vive por mim
E acredita na eternidade….esse mundo que todos dizem não existir…
acredita que o fim já passou e que a vida começa, já
 
© Rosa Familiar / Victor José ©
 

 



publicado por Yaleo às 09:13
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

© Todos Direitos Reservados
.Flor

Associação Cultural Jornal O Arrifanense
.pesquisar
 
Users Online
.Outubro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Poesias recentes

. GRITO

. A resposta

. "A minha janela" em Lisbo...

. Hoje...

. Feliz Dia da Mãe

. Para ti que existes

. Apresentação em Aveiro

. CONVITE - Apresentação em...

. Tempo

. Promoção do Romance "A mi...

.arquivos

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.links